Presidencialismo de coalizão em transe e crise democrática no Brasil

Contenido principal del artículo

Sérgio Abranches

Resumen

O padrão político-partidário brasileiro já mudou muito e continua em mudança. As eleições de 2018 foram disruptivas. Romperam o eixo partidário-eleitoral que organizou governo e oposição nos últimos 25 anos e por seis eleições gerais. O novo governo começou embalado em altas expectativas e muita controvérsia. Bolsonaro formou, tardiamente, uma coalizão minoritária, mais por pressão do que por convicção. A pandemia adicionou um agravante inédito e muito sério ao quadro. A pandemia produziu centenas de milhares de mortes e levou à convocação de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar erros e omissões do Executivo Federal. Ela vem cobrando ao governo alto preço em legitimidade política. A atitude político-institucional do presidente tem provocado impasses decisórios e crise política, diante da pior crise que o país já enfrentou. Há sinais de risco à democracia e institucional. No terceiro ano de governo, Bolsonaro tem perdido popularidade e gerado mais crises políticas do que soluções. O objetivo deste artigo é analisar estas mudanças e suas graves consequências político-institucionais.

Detalles del artículo

Cómo citar
Abranches, S. (2021). Presidencialismo de coalizão em transe e crise democrática no Brasil. REVISTA EUROLATINOAMERICANA DE ANÁLISIS SOCIAL Y POLÍTICO, 2(3), 67-79. Recuperado a partir de http://www.ojs.unsj.edu.ar/index.php/relasp/article/view/681
Sección
Dossier

Citas

Abranches, S. (2014). “Os ciclos do presidencialismo de coalizão”. Academia. Disponível em https://www.academia.edu/6411308/Os_Ciclos_do_Presidencialismo_de_Coalizão.

- - - - - - (2018). Presidencialismo de Coalizão: Raízes e evolução do modelo político brasileiroBrasil: Companhia das Letras.

- - - - - - (2019). “Polarização radicalizada e ruptura eleitoral”. Em Abranches, S. et al., Democracia em risco? 22 ensaios sobre o Brasil hoje. Brasil: Companhia das Letras.

- - - - - - (2020). O tempo dos governantes incidentais. Brasil: Companhia das Letras.

Amorim Neto, O. e Acácio, I. (2020). “De Volta ao Centro da Arena: Causas e Consequências do Papel Político dos Militares sob Bolsonaro”. Journal of Democracy, Vol. 9, Nº 2, Novembro, pp. 1-29.

- - - - - - (2021). “One Step forward, one step back: The Impact of the Defense Ministry on Defense Policymaking in Brazil (1999-2020)”. Congresso Virtual da Associação de Estudos Latino-Americanos Studies Association, 26-29 de maio.

Alves, P. (2017). “Presidencialismo de coalizão no Brasil: mapeamento do debate e apontamentos para uma nova agenda de pesquisa?”. Revista de Estudios Brasileños, Vol. 4, N° 6, Primeiro semestre, pp. 50-63.

Avritzer, L. e Corrêa Marona, M. (2014). “Judicialização da política no Brasil: ver além do constitucionalismo liberal melhor”. Revista Brasileira de Ciência Política, Nº 15, setembro-dezembro, pp. 69-94.

Balkin, J. M. (2018). “Constitutional Rot”. Sunstein, pp. 19-35.

Rodrigues de Carvalho, V., Saraiva Leão Viana, J. P., Carlogmano, M. C. (2019). “Presidencialismo de Coalizão em Tempos de Crise Institucional: Relação Executivo-Legislativo nos Governos Dilma (2015-2016) e Temer (2016-2018)”. Revista Política Hoje, Vol. 28, N° 2, pp. 59-78.

Casado, J. (2021). “Uma crise que não acabou e todos já perderam”. Veja, 4 de junho. Disponível em https://veja.abril.com.br/blog/jose-casado/uma-crise-que-nao-acabou-e-todos-ja-perderam/.

Cervi, E. U. e Weber, M. H. (org.) (2021). Impactos Político-Comunicacionais e as Eleições Brasileiras de 2018. Brasil: CPOP / Carvalho Comunicação.

Corasaniti, N. (2020). “A.O.C.’s Digital Juggernaut”, The New York Times, 23 de junho. Disponível em https://www.nytimes.com/2020/06/23/us/politics/aoc-facebook-ads.html.

Datafolha (2021). “Aprovação a governo Bolsonaro cai de 30% para 24%”, Datafolha, Opinião Pública, 13 de maio. Disponível em https://datafolha.folha.uol.com.br/opiniaopublica/2021/05/1989297-aprovacao-a-governo-bolsonaro-cai-de-30-para-24.shtml.

Herndon, A. W. (2020). “Alexandria Ocasio-Cortez on Biden’s Win, House Losses, and What’s Next for the Left”. The New York Times, 7 de novembro. Disponível em https://www.nytimes.com/2020/11/07/us/politics/aoc-biden-progressives.html.

Leitão, M. (2021a). “Fatos que mudam o cenário político”. O Globo, 3 de junho.

- - - - - - (2021b). “Exército se submete ao bolsonarismo e dá passo para a anarquia”, O Globo, 4 de junho.

Leitão, M. (2021). “O risco de o Exército aceitar a quebra da disciplina militar por Pazuello”. Veja, 3 de junho. Disponível em https://veja.abril.com.br/blog/matheus-leitao/o-risco-de-o-exercito-aceitar-quebra-da-disciplina-militar/.

Lilla, M. (2016). The Shipwrecked Mind: on political reaction, Estados Unidos: New York Review Books.

- - - - - - (2018). The Once and Future Liberal: After Identity Politics. Estados Unidos: Harper Paperbacks.

Linder, J. e Capelli, P. (2021). “Flávio Bolsonaro recebeu secretário da Receita Federal em sua casa, confirma documento”. O Globo, 3 de junho. Disponível em https://oglobo.globo.com/brasil/flavio-bolsonaro-recebeu-secretario-da-receita-federal-em-sua-casa-confirma-documento-25046058.

Mendes, C. H. (2021). “Arquitetura da omissão”. Folha de São Paulo, 3 de junho.

Pereira, M. (2021a). “Algo no ar”. O Globo, 3 de junho.

- - - - - - (2021b). “Medo de Assombração”. O Globo, 3 de junho.

Pérez-Liñan, A. (2007). Presidential Impeachment and the new political instability in Latin America. Estados Unidos: Cambrigde University Press.

Pereira, C., Bertholini F. e Raile, E. D. (2016). “All the President’s Men and Women: Coa­lition Management Strategies and Governing Costs in a Multiparty Presidency”. Presidential Studies Quarterly, Vol. 46, N° 3, Setembro, pp. 550-568.

Posner,E. A. (2018). “The Dictator’s Handbook, US Edition”, em Sunstein, C. (ed.) Can it Happen Here? Authoritarianism in America. Estados Unidos: Dey Street Books.

Rotta, A. A. (2019). Como depor um Presidente: Análise Comparada dos Modelos de Impeach­ment em 77 Paises. Brasil: Tese de doutorado apresentada ao programa de Pós-Graduação em Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Salum Jr. B. e Casarões, G. (2011). “O impeachment do presidente Collor: a literatura e o processo”, Lua Nova, Vol. 82, pp. 163-200.

Silva, A. M. (2017). “Os ciclos do presidencialismo de coalizão e seus determinantes político-econômicos”. Revista Brasileira de Ciência Política, N° 24, pp. 49-80.

Sunstein, C. (ed.) (2018a). Can it Happen Here? Authoritarianism in America. Estados Unidos: Dey Street Books.

Sunstein, C. (2018b). “Lessons from the American Founding”, em Sunstein, C. (ed.) Can it Happen Here? Authoritarianism in America. Estados Unidos: Dey Street Books.

Tavares, M. H. (2021). “Risco claro e presente”. Folha de São Paulo, 3 de junho.